Quinta, 28 Mai 2020
$ £

Concerto destaca a viola de Christian Bach e Béla Bartók

Apresentação desta terça (29) no Cine Brasília tem como convidado Gabriel Marin, solista da Orquestra Sinfônica da USP. Espetáculo é de graça

AGÊNCIA BRASÍLIA *

A viola é destaque no concerto da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro (OSTNCS) na próxima terça-feira (29) no Cine Brasília. Duas das três peças que serão executadas pela Sinfônica sob a regência do maestro Cláudio Cohen destacam o instrumento: Johann Christian Bach, Viola Concerto em Dó Menor, e Béla Bartók, Concerto para Viola e Orquestra.

O solista convidado será Gabriel Marin, violista do Quarteto Carlos Gomes e da Sinfônica da Universidade de São Paulo. O músico de Piracicaba (SP) lembra que a viola é um instrumento pouco conhecido do público em relação a seus congêneres do naipe de cordas dos quais é intermediário – violino e violoncelo, mais grave que o primeiro e agudo que o segundo.

“A viola tem um timbre aveludado e muito agradável. Entre os instrumentos de corda friccionada é o que mais se aproxima do timbre da voz humana”, explica ele. Marin já foi regido pelo maestro Cohen em duas oportunidades anteriores e se disse “animadíssimo” para a apresentação em Brasília.

Sobre as peças, ressalta na de Bartók (1881-1945) a extrema dificuldade, por exigir que se tire do instrumento suas conotações sonoras mais graves e mais agudas. Ao mesmo tempo, o violista ressalta que se trata de um concerto que “dá prazer enorme na execução porque demanda os mais altos graus de técnica”.

Em relação à composição do último dos treze filhos de Johann Sebastian Bach, destaca que “também é um trabalho interessantíssimo” com participação destacada do violoncelo.

Sobre a peça de Bach, a literatura registra que foi o violista francês Henri-Gustave Casadesus (1879 -1947) que descobriu inacabado o concerto do caçula de Bach, Johann Christian (1735 – 1782) e terminou-o. Os violistas passaram a nomeá-lo também como Concerto para Viola e Orquestra de J.C. Bach/Casadesus.

Foto: Agência Brasília/Arquivo

O programa do concerto de terça-feira completa-se com a composição de Robert Schumann (1810-1856) “Sinfonia Nº 3 Opus 97 Renana”. Foi escrita em 1850 e inspirada na gótica Catedral de Colônia, Alemanha, seu país natal. Segundo o maestro Claudio Cohen, a música é um marco na carreira profissional do autor romântico e também na concepção musical e temática que propõe.

 

O maestro da OSTNCS lembra ainda que a Renana foi considerada pelo russo Tchaikovsky o ponto máximo da produção de Schumann. A Sinfonia expressaria em sons o que o escritor alemão Goethe descreveu quando de sua visita à catedral em 1823, cuja arquitetura arrojada a música mimetizaria: “A combinação de uma profusão de detalhes numa grandeza única, em gradual transição entre a perplexidade e o entendimento contemplativo”.

 

 

Serviço

Concertos para Viola e Schumann

Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro

Repertório

Johann Christian Bach, Viola Concerto em Dó Menor (15 min).

Béla Bartók, Concerto para Viola e Orquestra (25 min).

Robert Schumann, Sinfonia Nº 3 Opus 97 Renana (35 min).

Regência de Claudio Cohen

29 de outubro, 20h

Cine Brasília, Entrequadra Sul 106/107

Entrada franca por ordem de chegada até a lotação do espaço. Os portões são abertos às 19h15 para idosos e pessoas com deficiência e às 19h30 para o público em geral.

Dúvidas e informações: 2017-4030

Um lugar com INFINITAS POSSIBILIDADES! 

Newsletter

Assine nossa newsletter e não perca nossas melhores notícias!

Não fazemos spam!