Quinta, 13 Dezembro 2018
$ £

Frente Internacional Progressista será lançada em 1º de dezembro em NYC (2)

 Foram convidados representando o Brasil o petista Fernando Haddah e representando o México o esquerdista Andrés Manuel López Obrador

 

O político independente com mais tempo de mandato na história do Congresso dos Estados Unidos, reeleito com tranquilidade (64% dos votos do seu Estado) nas últimas eleições norte-americanas, senador socialista Bernie Sanders, é o idealizador da criação da Frente Internacional Progressista, com o objetivo de promover reação global ao autoritarismo pró-ricos inspirados na gestão de Trump e na onda conservadora globalizada que beneficia o 1% da população mundial, enquanto a classe trabalhadora perde cada vez mais direitos e enfrenta condições mais e mais difíceis. Para o lançamento da frente, marcada para 1º de dezembro, sob o comando de Sanders e do ex-ministro da Fazenda da Grécia, Yanis Varoufakis, foram convidados representando o Brasil o petista Fernando Haddah e representando o México o esquerdista Andrés Manuel López Obrador.

 

Sanders lançou a proposta da International Progressista em artigo publicado no The Guardian em setembro. No artigo o senador destaca o surgimento de um “eixo autoritário internacional” que  tem como um de seus agentes principais o presidente norte-americano Donald Trump. Não limitado à Trump, Bernie explica que os integrantes desse eixo apresentam características comuns como hostilidade à democracia e à liberdade de imprensa, intolerância às minoriais raciais, étnicas e religiosas, e – obviamente – favoráveis à políticas que favoreçam grandes corporações e empresas. “Os governos do mundo devem se unir para acabar com o absurdo das empresas ricas e multinacionais que armazenam mais de 21 trilhões de dólares em contas bancárias offshore para evitar pagar sua parcela justa de impostos e exigir que seus respectivos governos imponham uma agenda de austeridade às famílias trabalhadoras”, escreveu o senador.

 

Em junho deste mesmo ano Philip Alston, relator especial da ONU para pobreza extrema e direitos humanos, classificou em relatório oficial classificou a política econômica do governo Trump de anti-pobres. Alston destaca como medidas condenáveis de Trump: estão “isenções financeiras e ganhos sem precedentes para os ricos e as grandes corporações”, combinados com “redução de benefícios sociais” e com um “programa radical” de desregulamentação financeira, ambiental, de saúde e segurança que “elimina proteções que hoje atendem principalmente as classes médias e os pobres”. No Brasil, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, bem como o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, se inspiram em medidas trumpistas: em 22 de outubro – ainda em período eleitoral – Bolsonaro prometeu a empresários do ramo industrial que apresentaria um pacote de medidas e que pretendia fazer algo parecido com a política de Trump para “ampliar a base de empregos” cortando impostos dos ricos e das empresas.

 

“Para combater eficazmente a ascensão do eixo autoritário internacional”, disse Sanders em seu artigo “precisamos de um movimento progressista internacional que se mobilize por trás de uma visão de prosperidade compartilhada, segurança e dignidade para todas as pessoas e que atenda à enorme desigualdade global que existe, não apenas em riqueza, mas no poder político”.

 

“Para efetivamente nos opormos ao autoritarismo de direita, não podemos simplesmente voltar ao status quo fracassado das últimas décadas”, anotou o senador. “Hoje, nos Estados Unidos e em muitas outras partes do mundo, os indivíduos estão trabalhando mais horas para estagnar os salários e temem que seus filhos tenham um padrão de vida mais baixo do que eles.”

 

 

 

A data do lançamento sucede a realização de conferência com ativistas progressistas dos  Estados Unidos, a ser realizada entre 27 de novembro e 1º de dezembro, pelo Instituto Sanders.

 

 

 

Artigo

 

Por Bernie Sanders

 

Está em curso uma luta global que tem enormes consequências. O que está em jogo é nada mais, nada menos que o futuro do planeta, economicamente, socialmente e ambientalmente.

 

 

 

Em um momento de enorme riqueza e desigualdade de renda, quando 1% do mundo agora tem mais riqueza do que os 99% restantes, estamos vendo o surgimento de um novo eixo autoritário.

 

 

 

Embora esses regimes possam diferir em alguns aspectos, eles compartilham atributos-chave: hostilidade às normas democráticas, antagonismo em relação à liberdade de imprensa, intolerância em relação às minorias étnicas e religiosas e a crença de que o governo deve beneficiar a si próprio e a interesses financeiros egoístas.

 

 

 

Os líderes deste eixo autoritário também estão profundamente ligados a uma rede de oligarcas bilionários que vêem o mundo como seu brinquedo econômico.

 

 

 

Aqueles de nós que acreditam na democracia, que acreditam que um governo deve prestar contas ao seu povo, devem entender o alcance desse desafio, se quisermos enfrentá-lo de forma eficaz.

 

 

 

Deve ficar claro agora que Donald Trump e o movimento de direita que o apóia não são um fenômeno exclusivo dos Estados Unidos. Em todo o mundo, na Europa, na Rússia, no Oriente Médio, na Ásia e em outros lugares, estamos testemunhando movimentos liderados por demagogos que exploram medos, preconceitos e queixas das pessoas para alcançar e manter o poder.

 

 

 

Essa tendência certamente não começou com Trump, mas não há dúvida de que os líderes autoritários de todo o mundo se inspiraram no fato de que o mais antigo e mais poderoso líder democrata do mundo parece se deliciar com a destruição das normas democráticas.

 

 

 

Há três anos, quem teria imaginado que os Estados Unidos permaneceriam neutros entre o Canadá, nosso vizinho democrático e o segundo maior parceiro comercial, e a Arábia Saudita, um estado-cliente monárquico que trata as mulheres como cidadãos de terceira classe? Também é difícil imaginar que o governo de Netanyahu em Israel teria aprovado a recente "lei do estado-nação", que basicamente codifica o status de segunda classe dos cidadãos não-judeus de Israel, se Benjamin Netanyahu não soubesse que Trump estaria do seu lado.

 

 

 

Tudo isso não é exatamente um segredo. Com os Estados Unidos afastando-se cada vez mais dos nossos aliados democráticos de longa data, o embaixador estadunidense na Alemanha tornou claro recentemente o apoio do governo Trump aos partidos extremistas de direita por toda a Europa.

 

 

 

Além de hostilidade de Trump às instituições democráticas, temos um presidente bilionário, de forma inédita, que tem descaradamente defendido seus próprios interesses econômicos e os de seus comparsas nas políticas governamentais.

 

 

 

Outros estados autoritários estão muito mais avançados ao longo deste processo cleptocrático. Na Rússia, é impossível dizer onde terminam as decisões do governo e os interesses de Vladimir Putin e seu círculo de oligarcas. Eles operam como uma unidade. Da mesma forma, na Arábia Saudita, não há debate sobre a separação, porque os recursos naturais do estado, avaliados em trilhões de dólares, pertencem à família real saudita. Na Hungria, o líder autoritário de extrema-direita Viktor Orbán alia-se abertamente a Putin na Rússia. Na China, um círculo interno liderado por Xi Jinping consolidou o poder de forma constante, tomando medidas drásticas contra a liberdade política interna enquanto promoveu agressivamente uma versão do capitalismo autoritário no exterior.

 

 

 

Devemos entender que esses autoritários fazem parte de uma frente comum. Eles estão em estreito contato uns com os outros, compartilham táticas e, como no caso dos movimentos de direita europeus e norte-americanos, compartilham até mesmo alguns dos mesmos financiadores. A família Mercer, por exemplo, os defensores da infame Cambridge Analytica, foram patrocinadores principais de Trump e do Breitbart News, que opera na Europa, Estados Unidos e Israel para promover a mesma agenda anti-imigrante e anti-muçulmanos. O mega-doador republicano Sheldon Adelson atua tanto nos Estados Unidos quanto em Israel, promovendo uma agenda compartilhada de intolerância e nos dois países.

 

 

 

No entanto, a verdade é que, para efetivamente nos opormos ao autoritarismo da direita, não podemos simplesmente retornar ao status quo fracassado das últimas décadas. Hoje, nos Estados Unidos e em muitas outras partes do mundo, as pessoas trabalham mais horas para estancar os salários e se preocupam com o fato de seus filhos terem um padrão de vida mais baixo do que o deles.

 

 

 

Nosso trabalho é lutar por um futuro no qual a nova tecnologia e a inovação funcionem para beneficiar todas as pessoas, não apenas algumas. Não é aceitável que 1% da população mundial detenha metade da riqueza do planeta, enquanto 70% da população em idade ativa disponha de apenas 2,7% da riqueza mundial.

 

 

 

Juntos, os governos do mundo devem se unir para acabar com o absurdo de empresas ricas e multinacionais mantenham mais de US$ 21 bilhões em contas bancárias offshore para evitar pagar sua parcela justa de impostos e exigir que seus respectivos governos imponham uma agenda de austeridade.

 

 

 

Não é aceitável que a indústria de combustíveis fósseis continue a gerar enormes lucros, enquanto suas emissões de carbono destroem o planeta para nossos filhos e netos.

 

 

 

Não é aceitável que um punhado de gigantes da mídia multinacional, de propriedade de um pequeno número de bilionários, controle o fluxo de informações no planeta em grande medida.

 

 

 

Não é aceitável que as políticas comerciais que beneficiam as grandes corporações multinacionais prejudiquem as pessoas que trabalham em todo o mundo.

 

 

 

Para combater eficazmente a ascensão do eixo autoritário internacional, precisamos de um movimento internacional progressista que se mobilize por uma visão de prosperidade compartilhada, segurança e dignidade para todas as pessoas e que aborde a enorme desigualdade global que existe, não apenas em riqueza, mas também na riqueza do poder político.

 

 

 

Tal movimento deve estar disposto a pensar de forma criativa e ousada sobre o mundo que gostaríamos de ver. Enquanto o eixo autoritário se comprometeu a derrubar uma ordem mundial pós-Segunda Guerra Mundial que eles acreditam que limita seu acesso ao poder e à riqueza, não é suficiente simplesmente defendermos essa ordem como ela existe agora.

 

 

 

Devemos honestamente ver como essa ordem não cumpriu muitas de suas promessas e como os autoritários exploraram com habilidade essas falhas para gerar apoio à sua agenda.

 

 

 

Devemos aproveitar a oportunidade para conceituar uma ordem global genuinamente progressista baseada na solidariedade humana, uma ordem que reconheça que cada pessoa neste planeta compartilha uma humanidade comum, que todos queremos que nossos filhos cresçam saudáveis, tenham uma boa educação, tenham empregos decente, bebam água limpa, respirem ar puro e vivam em paz.

 

 

 

Nosso trabalho é alcançar pessoas de todos os cantos do mundo que compartilhem esses valores e lutem por um mundo melhor.

 

 

 

Em uma época de explosão de riqueza e tecnologia, temos o potencial de criar uma vida decente para todas as pessoas. Nosso trabalho é construir uma humanidade comum e fazer tudo o que pudermos para nos opor a todas as forças, poder governamental irresponsável ou poder corporativo irresponsável, que tentam nos dividir e confrontar uns aos outros. Sabemos que essas forças trabalham juntas através das fronteiras. Nós devemos fazer o mesmo.

 

 

 

Mais recentemente, os fanáticos de direita xenofóbicos também formaram sua própria Internacional Nacionalista, colocando pessoas orgulhosas contra outras para controlar sua riqueza e política.

 

 

 

É hora de os democratas de todo o mundo formarem uma Internacional Progressista no interesse da maioria das pessoas em todos os continentes, em todos os países.

 

 

 

Nossa Internacional Progressista deve liderar uma visão de prosperidade verde e compartilhada que a engenhosidade humana é capaz de fornecer, desde que a democracia tenha a oportunidade de torná-la possível.

 

 

 

Para isso, precisamos fazer mais de uma campanha juntos. Vamos formar um conselho comum que elabore um plano comum para um New Deal internacional, um Novo Bretton Woods (resoluções da conferência monetária e financeira das Nações Unidas), progressista.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sua revista eletrônica no Distrito Federal. 

Newsletter

Assine nossa newsletter e não perca nossas melhores notícias!

Não fazemos spam!